segunda-feira, 18 de julho de 2011

Pequena Poderosa



=)

Este último fim de semana foi muito divertido... Muitos amigos vieram de longe pra estar aqui com a gente... Inclusive, alguns deles foram fundamentais na construção de quem eu sou hoje. Muitas lições eu tenho aprendido nesses últimos anos, algumas duras, outras mais leves, mas não menos importantes... Convivi com pessoas que me deixam marcas profundas e valiosas, às vezes foram pessoas que eu nunca poderia imaginar que se tornariam tão especiais nas minhas memórias de vida...
Mas o que me deixa estupefata de fato é quando acontece algo assim: Uma minúscula menininha aparece pra te falar uma coisa que todos os seus amigos e familiares já te falaram a vida toda, mas ela vem com tão grande simplicidade que te derruba e te deixa, no mínimo, com uma vontade imensa de desafiar a si mesmo para ser alguém melhor! Haha! Veja só a simplicidade em ação:
Estava eu conversando com uns amigos filhos de um pastor que veio ministrar na nossa igreja ontem, tranquila e naturalmente como sempre converso, quando depois de alguns minutos me separei deles e fui falar com outras pessoas... E veio a sorridente menininha de cabelos pretos cacheados de vestido laranjado, Samira, abraçar minhas pernas... Foi quando eu abaixei o rosto pra ela e ela simplesmente me perguntou com um sorrisinho: “Por que você fala tão alto?”
Eu não me contive! Hahaha! Ri e respondi envergonhada: “Não sei, eu queria falar mais baixo”... E qual não foi minha enorme surpresa quando ela virou sorrindo e disse com aquela vozinha de quem tem a grande solução para o problema: “Então mude! xD
=O
            Hahahahaha!!! Depois dessa eu só consegui sorrir em reconhecimento e responder: “É verdade, eu vou tentar mudar...” E a pequena poderosa saiu felizinha... E eu então me pergunto: Depois desse tapa com luvas de pelica, como posso ser tão tola e não me esforçar mais para a efetiva mudança dessa minha deficiência???
Meu interior não consegue parar de sorrir, porque ainda estou impressionada e deslumbrada com essa voz surpreendentemente forte que me falou de modo tão resoluto e, principalmente, de modo tão simples algo que todos nós precisamos ouvir e praticar, em relação a cada um dos nossos pequenos ou mesmo enormes defeitos... Se quer mudar, “Então mude!”, apenas MUDE!
É assim que devemos ser. Simples como uma criança, práticos e ágeis. Devemos ser humildes pra reconhecer quando alguém que nunca esperamos apenas chega e se coloca acima de nós em simplicidade e sabedoria, de uma forma tão honrada. Que Deus nos dê essa graça, de reconhecermos nossa insignificância e nossa necessidade de ajuda Dele para melhorarmos, a cada dia.

XoXo,
            Lu Grando. =)

            "Chamando uma criança, colocou-a no meio deles, e disse: 'Eu lhes asseguro que,
            a não ser que vocês se convertam e se tornem como crianças, jamais entrarão no 
            Reino dos céus. Portanto, quem se faz humilde como esta criança, este é o maior 
            no Reino dos céus. ' " (Mateus 18:2-4, NVI).


sábado, 25 de junho de 2011

Desgelo



Oh, Deus...
...           
Estou em Porto Seguro, minha cidade do coração, participando do III Congresso de Jovens e Adolescentes da Igreja Missionária Unida do Distrito Nordeste, na IMU do Campinho. Pra ser sincera, eu cheguei aqui sem nenhuma expectativa... Apenas pedindo a Deus que, sei lá, fizesse alguma coisa... Qualquer coisa!!!... E, para a minha surpresa, a COISA tá cada dia MELHOR!!!!!!!
Constatei um fato maravilhoso nesses últimos três dias: sim, é mesmo MUITO BOM sentir Deus te tocar individualmente e aquecer seu coração, que antes estava congelado... Mas MUITOOO MELHOR do que viver isso sozinho é ver Deus fazer isso com seus amigos também!!! Passar por essa experiência em conjunto é SIMPLESMENTE SURREAL! Meu Deus do Céu!!! Como está sendo incrível esse Congresso! Queria muito que minha mana, que não pôde vir, e muitas outras pessoas estivessem aqui...
Não tenho palavras pra dizer com clareza o que é sentir o próprio Deus te tocar por dentro, te fazer chorar incontrolavelmente de gratidão misturado com encantamento e amor por aqueles que estão caídos... Sentir a dor de ter feridas tratadas e seu próprio orgulho torcido com força... Sentir o alívio do perdão e da correção... E a esperança de que a vida vai ser melhor do que é, de que seremos melhores do que temos sido simplesmente porque Jesus entrou em nosso coração quando finalmente nos rendemos e pedimos que Ele o fizesse.
E mais indescritível ainda é ver aquelas pessoas que amamos tanto e que há tanto tempo andavam frias e enfraquecidas renascendo e voltando a respirar, tomando novo Fôlego pra viver a Vida que Deus tem para lhes dar! A vida que Ele tem para aqueles que desistem de si mesmos e entendem que precisam Dele e de mais ninguém!!!
Quero dizer a cada um desses amigos, individualmente: Eu te amo. Aos que não estão aqui, mas que eu também amo eternamente, digo que minhas mãos ficarão sempre estendidas esperando pra segurar as suas e irmos em frente...
Meu coração transborda... Palavras me faltam...
E aos que estão aqui comigo, sabem quem são, estamos juntos neste caminho. Sei que já sabem disso, mas renovo aqui meu compromisso de que estou aqui para o que der e vier, de que meu coração chorará com vocês quando chorarem e se alegrará quando se alegrarem com o Senhor. Somos filhos e estamos em Casa! Como é bom poder estar com vocês! S2
Oro pra que essa transformação que estamos vivendo juntos não acabe aqui. Que esse Fogo não seja de palha. Mas eu SEI que isso é diferente... É DIFERENTE! E sei que vocês concordam e crêem também... É de JESUS que estamos falando afinal.
O fato é que sozinhos somos meros gravetos ao vento, quebradiços e apagados. Mas se estivermos juntos, como deve ser, mesmo que a situação fique difícil, ficaremos fortes Nele.

“Take my life, I lay it down...
At the cross, where I am found…
All I have I give to You, oh God.
                               Take my hands, make them clean
                               Keep my heart in purity
                               That I may walk in all You have for me…
                                               Oh-oh-oh-oh
                                               Here I stand, arms open wide…
                                               Oh-oh-oh-oh
                                               I am Yours and You are mine, Jesus.
Take my moments and my days
Let each breath that I take
Be ever only For You, oh God.
           Oh-oh-oh-oh
                                               Here I stand, arms open wide…
                                               Oh-oh-oh-oh
                                               I am Yours and You are mine!!!
                                                               OH-OH-OH-OH-OH!
                                                               OH-OH-OH!
                                                               OH-OH-OH-OH-OH!
                                                               OH-OH-OH!
                                                               MY WHOLE LIFE IS YOURS,
                                                               I GIVE IT ALL,
                                                               SURRENDERED TO YOUR NAME!
                                                               AND FOREVER I WILL PRAY:
                                                               HAVE YOUR WAY, HAVE YOUR WAY!”

(“Arms Open Wide” – Hillsong United – “A Cross The Earth: Tear Down The Wall”)

domingo, 19 de junho de 2011

Pai de Amor


É muito interessante como Deus fala com a gente de maneiras que nem imaginamos, muito menos esperamos... Às vezes parecem ser pequenos detalhes insignificantes, mas o que importa é calar a boca e ouvir o que nos dizem.
Fazia muitos anos que eu nem tinha muitas notícias de pessoas como Ana Paula Valadão, ou de como as coisas estão indo no “Diante do Trono” ou na Igreja Batista da Lagoinha em Belo Horizonte – MG... Mas ontem eu estava assistindo uns vídeos do I Congresso de Pastores e Esposas de Pastores que ocorreu em Abril deste ano e foi muito, muitooo bom o testemunho da Ana Paula e de seu esposo, Pr. Gustavo Bessa, bem como o testemunho do pastor Márcio Valadão e de sua esposa Renata.
Mas foi um terceiro testemunho, na verdade o segundo na ordem de apresentação, que de certo modo me chamou mais a atenção, coisa que eu não esperava de jeito nenhum, porque tenho a infeliz tendência de ser muito fechada diante de desconhecidos, mesmo os que surgem em forma de vídeo no Youtube. A propósito, o link do vídeo completo é este: http://www.youtube.com/watch?v=-Vv8dN3iUMo&feature=related ...Vale a pena ver.
 Os tais desconhecidos que me chamaram a atenção foram os Pastores Ciro e Iara de Paula, que também são da IBL e trabalham com famílias desde 1988, coincidentemente meu ano de nascimento. A pastora Iara, psicóloga, estava contando uma pequena história que aconteceu com ela há décadas... E aquilo mexeu comigo.
Ela conta o seguinte: Estava ela viajando sozinha de ônibus de Betim para BH, num dos primeiros anos de seu casamento, numa época de muito difícil situação financeira. Ela conta que estava orando e conversando com Jesus, pedindo uma casa própria... E ela dizia “Deus, não queremos ficar no aluguel... Dá-nos condições de comprar uma casa própria”... E ela disse: “parece loucura, não? (...) Não tinha dinheiro pra comprar nada, uma roupa, um sapato..., pedir uma casa??”
Mas então ela conta que num dado momento ela sentiu um temor muito grande e perguntou a Deus: “Senhor, está certo isto? Eu estar aqui orando pedindo uma casa própria? O Senhor, que é o meu Senhor, não teve onde reclinar a cabeça... Eu sou apenas tua serva... Está certo?” E ela diz que terminou a conversa neste ponto.
Então a pastora segue contando que uns dois ou três meses depois eles estavam todos num ensaio de um jogral com os jovens na igreja e, ao final da reunião, ela pediu a uma irmã que fizesse uma oração de encerramento, “uma irmã com quem eu nunca tinha conversado! Eu a conhecia à distância”, disse ela. E quando a irmã começou a orar, “o Senhor disse: ‘Filha, é verdade, eu não tive onde reclinar a minha cabeça, mas tu terás a tua tenda porque eu te darei’”. E uma coisa linda que a pastora disse foi “Como não ter paixão por Jesus, queridos? Esse Deus que interage conosco, esse Deus que sonda a oração no mais profundo do nosso ser e continua a conversa a partir do momento em que nós paramos!”... E eles logo tiveram condições de comprar um apartamento.
                Essa pequena história me tocou porque a Bíblia realmente conta, em Mateus 8:20, que “disse Jesus: As raposas têm covis, e as aves do céu têm ninhos, mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça”. A Palavra de Deus também afirma, em João 1:12, que “a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome”; E mais, a Bíblia também, em Mateus 7:11, diz o seguinte: “Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará boas coisas aos que lhe pedirem?”
Fiquei pensando nessas coisas e me veio à mente o fato de que, nas décadas passadas, a grande maioria dos nossos pais passaram por grandes, às vezes extremas dificuldades financeiras na época da infância... Meus pais, por exemplo, enfrentaram pobreza tanto na infância quanto na adolescência e, até mesmo adultos, foi muito difícil juntar algum dinheiro. A geração passada especificamente, a geração dos meus pais, superou muitos obstáculos até conseguir algum progresso.
Essa dificuldade foi tanta que, do meu ponto de vista, hoje em dia os filhos tendem a ser às vezes muito mais mimados e mal criados por receber tudo muito fácil nas mãos... Posso estar errada, mas tenho a impressão de que muitos daqueles pais que foram pobres e de algum modo reprimidos na infância muitas vezes quiseram dar tudo do bom e do melhor para os filhos hoje como forma de compensação até pra consigo mesmos... Não que isso seja de todo ruim para os filhos, mas às vezes esses pais chegam a extremos no desequilibrado esforço pra que os filhos nunca passem pelas mesmas dificuldades que eles tiveram que passar...
Mas independentemente dos fatores passíveis de discussão, eu acredito que esses pais fizeram e fazem isso, dão tudo que podem, doam o máximo de si porque amam os filhos, amam e pensam que essa é a melhor forma de os livrar das dificuldades da vida... Afinal, qual é o filho desta geração que não está feliz se estiver vivendo numa situação financeira melhor do que aquela na qual os pais viveram?... Eu estou.
             Mas o grande fato aqui é que o Pai Celestial, Pai daqueles que receberam a Jesus como seu Senhor e Salvador, é MUITOOO MELHOR QUE OS NOSSOS PAIS. Muito melhor, não apenas por ser equilibrado e sábio, mas porque Ele é REALMENTE bom. Essencialmente bom. Essencialmente AMOR! (1 Jo 4:8 e 16). E, se os mortais pais humanos normais já gostam muito de dar tudo que puderem para facilitar a vida dos filhos, QUANTO MAIS O PAI QUE É DEUS!!!
Muitas vezes no nosso orgulho ridículo, na nossa mania de querer ser independentes dos nossos pais, de provarmos que crescemos e que eles não precisam nos dar nada, que nós conseguimos superar tudo sozinhos, muitas e incontáveis vezes acabamos transferindo esses sentimentos para Deus, sem perceber. Esquecemos de que Ele QUER que dependamos Dele, e de mais ninguém. Esquecemos que Ele nos fez para o Louvor da Sua glória. Esquecemos que Ele nos criou para fazermos parte de Sua família. E, pricipalmente, esquecemos que somos frágeis vermes, cuja vida não passa de um sopro, cuja consistência não passa da de uma pitada de poeira envelhecida.
Deus tem prazer em atender aos pedidos de seus filhos amados... Ele, que veio em forma de homem e, neste mundo nojento, não teve onde reclinar a cabeça; Ele, que comeu da nossa comida precária, que dormiu nas nossas camas mais desconfortáveis, que usou os nossos banheiros paupérrimos; Ele, que morreu para que aceitássemos Seu sacrifício, que ressuscitou e nos fez filhos do Seu amor... Esse Deus tem prazer quando nos humilhamos, reconhecemos nossa insignificância e pedimos... simplesmente pedimos... confiando em seu caráter infalivelmente bom.
            Que o Senhor tenha misericórdia de nós e nos ajude a aprender dessa incomparável Bondade e desse infindável Amor.

sábado, 18 de junho de 2011

Necessidade


Ok, eu já to começando a surtar. É muito raro eu “pedir pinico”, mas a situação já tá extrema. Preciso mudar!
Eu cresci numa igreja que, felizmente, é uma verdadeira exceção à triste regra geral do que se costuma ser uma igreja supostamente cristã hoje em dia e do que tem sido ao longo de milênios; Minha pequena igreja, por vários motivos, acaba sendo uma espécie de sonho colorido no meio de uma infeliz realidade catastrófica e destrutiva, que é o que a maioria das pessoas conhece. A decepção com igrejas é comum, gerando raiva, frustração e amargura em muitas das pessoas que, dolorosamente, vivenciaram esse NOJO ABSURDO que é a “igreja evangélica” hoje.
Não que eu não tenha conhecido [muitas] pessoas de caráter decepcionante, mas a minha experiência de vida, a experiência que EU conheço como NORMAL sempre foi cheia de confiança e rica em esperança. Na minha igreja, eu aprendi o que é comunidade, o que é amor, irmandade. Vivenciei o real significado de compreensão e transformação, tratamento e acolhimento, e tive o privilégio de conhecer o real evangelho, aquele que se vive na alma e na pele, aquele que transcende os limites do corpo, da mente e do coração.
O evangelho e o Cristo que eu conheci através dos meus pais e de outras pessoas exemplares tem sentido completo, é racional, é justificável pela lógica, é muito mais do que filosófico, é explicado pelo simples abandono do sedentarismo mental. Pra mim, crer que Jesus Cristo é Deus, o único Deus, acima de todo e qualquer outro, é pura questão de inteligência. Sinceramente, eu simplesmente não consigo acreditar em outra coisa! NÃO DÁ. É simples e claro e, por mais fraca que eu possa estar não consigo deixar de parafrasear René Descartes e dizer “penso, logo creio em Jesus”.
Só que, da mesma forma que o ser humano ultrapassa os limites de ossos e músculos e se consiste também de alma e espírito, a fé na soberania divina de Jesus Cristo ultrapassa os marcos da racionalidade, porque essa fé é movida pela experiência. Ela se alimenta de fatos e acontecimentos e também de momentos e percepções pessoais, quando Deus toca e, de alguma forma, fala com cada pessoa particularmente, através de Seu próprio Espírito Santo. Por isso não basta simplesmente ser racional quando se trata de ser um cristão real.
O problema acontece quando a ordem é invertida: Ser movido a emoções e se esquecer de raciocinar, sair acreditando em qualquer absurdo que algum metido-a-santo fala, ao invés de conhecer A VERDADE da Bíblia por si mesmo, sem explorar e sem ter o mínimo de temor de Deus para pedir que Ele mesmo se revele através da sua Palavra. Vou usar o exemplo clássico: não se pode conhecer uma cédula falsa sem conhecer a verdadeira. É preciso conhecer a Deus pessoalmente e Jesus Cristo torna isso possível. Mesmo com o fato de a comunidade ser VITAL para a sobrevivência dos indivíduos, a loucura está em ser movido pelo grupo e se esquecer de pensar enquanto indivíduo diante de Deus. A confusão, portanto, está armada quando nos esquecemos de LER A BÍBLIA e nos deixamos levar pelas ondinhas do momento, pelos discursos (muitas vezes hipócritas) de alguns “apóstolos” e “bispos”, por músicas que se dizem “gospel”, pelas igrejas que fazem de tudo pra deixar bem confortável seu membrozinho mais rico.
O resultado não costuma ser muito bom quando a ordem “racional-emocional” é invertida quando se trata de ser Cristão. Mas o ponto principal pra mim é que, de qualquer forma, uma coisa não existe sem a outra. Ser racional é fundamental para entender e explicar a própria fé, mas a mente humana é limitada demais quando trata de tentar entender tudo sobre Deus racionalmente. Às vezes é preciso VIVER antes de entender. É o “crer para ver”, que se resume na própria definição de FÉ (que está em Hebreus 11:1). Essa é a fé que agrada a Deus. A fé em Jesus Cristo se alimenta de busca e vivência, da experiência por meio da confiança, se alimenta de “garimpo”, de aproximação, de profundidade em conhecer a Deus em essência, em grandeza e, ao mesmo tempo, em pequenos detalhes. Ler a Bíblia inteira uma ou duas vezes não nos faz dignos de nenhum crédito, pois conhecer a Deus é simplesmente o mínimo a fazer, sendo Ele o único motivo para ainda estarmos vivos. E, por mais difícil que isso possa parecer, nossos olhos do entendimento só podem ser abertos pela Palavra de Deus.
                É por isso que estou aqui me rendendo. Minhas confusões “emociomentais” (se é que existe palavra parecida com essa), minha sonolência, minha dormência de vida, ou melhor, minha quase ausência de vida me faz apelar para o sobrenatural. Eu já vivi por emoções... E agora estou no campo oposto. Mas nem a razão, nem a emoção por si mesmas podem me ser suficientes daqui pra frente. Agora é hora de desafiar a mim mesma a mais uma superação pessoal: preciso encarar o desafio de unir as duas fontes.
                Eu creio, por experiência, que a Bíblia é VIVA. Tenho amigos e histórias que me permitem crer que ela é EFICAZ. Eu creio que ela é a Palavra de Deus, porque através da leitura meditativa desse Livro Poderoso meu pai é hoje uma pessoa bem positivamente diferente da que caminhava para ser, e minha mãe foi curada de traumas e de depressão. Eu creio que Deus é bom, creio que Ele é real e fiel. Eu creio que Ele vive, que sem Ele nada faz sentido e que por meio Dele até o nada tem sentido. Por esses e outros motivos, me proponho o desafio de ler mais a Bíblia. Que essa Palavra me traga vida de novo... Que me cure, que me mude, que me faça respirar ar puro outra vez. E que Deus me ajude a ir sempre em frente.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Liberdade


          Segundo o dicionário Aurélio, liberdade é a faculdade que cada um tem de se decidir ou de agir de acordo com a própria determinação, desde que esteja dentro dos limites impostos por normas definidas. Liberdade é independência, autonomia; é o “estado ou condição de homem livre”. E algumas definições para “Livre” se mostram em o “que não está prisioneiro; solto; desembaraçado; desobrigado; desimpedido; espontâneo, natural; imenso, infinito”. Desse modo, para mim especificamente, liberdade é não ter nada que me impeça de seguir em frente, especialmente quando eu sei que é lá que está o que Deus quer me dar.
          Eu sempre tive muita facilidade pra expressar o que eu sinto, e, ao mesmo tempo, muita dificuldade. Isso porque expressar sentimentos exige que os transformemos em pensamentos que nem sempre são claros... E os pensamentos precisam ser traduzidos em palavras, escritas ou faladas, cuja eficiência nem sempre corresponde à necessidade real de expressão. Às vezes as palavras não são capazes de exprimir sentimentos que muitas vezes nem nós mesmos conseguimos entender.  Mas não é só essa a dificuldade no momento da expressão, porque a pessoa para a qual você se expressa é peça chave para determinar a qualidade da sua comunicação, podendo te libertar ou te escravizar. Se você escolher qualquer pessoa, ou muitas pessoas, pessoas erradas, pessoas más, pessoas impacientes ou incompreensivas, fofoqueiras ou indiferentes, você pode se tornar um escravo das próprias palavras que você soltou. Mas se você aprender a guardar sua expressão para a hora certa e para a pessoa certa, a expressão pode ser um ato libertador.
          Por muito tempo eu tive o péssimo hábito de não me importar com meus próprios sentimentos/pensamentos/segredos, e simplesmente saía contando tudo pra todo mundo, acreditando que ninguém me entenderia mal, ou que as pessoas eram tão sinceras e honestas quanto eu, ou pensando que o fato de eu falar o que eu sentia iria contribuir para que as pessoas me entendessem e talvez gostassem tanto de mim quanto eu delas. É óbvio que é exatamente pra este fim que serve a comunicação, para que as pessoas nos entendam e desse modo o convívio melhore a cada vez... Mas a grande questão é aprender que existe muita gente, muuuitaaa gente mesmooo, que não tá nem aí pra você e sequer merece imaginar o que você tem a compartilhar. Isso eu demorei a conseguir, mas quando aprendi o que é decepção, fui pro outro extremo e me tranquei. Passei a evitar expressar-me, guardei quase tudo pra mim... e detestei isso. Até que finalmente comecei a detectar as raras e boas pessoas com as quais eu posso contar, as quais têm o direito de me compreender... E, agora que estou aprendendo o que é ter equilíbrio, resolvi tentar de novo.
          Então ontem tive uma das conversas mais importantes da minha vida: Libertei alguns pensamentos que estavam presos lá dentro do meu baú mental de segredos e os compartilhei com uma das pessoas mais significativas pra mim. Meu coração se abriu como há tempos eu não fazia, e eu deixei as palavras fluírem sem medo, exatamente como eu amava fazer... E isso foi estranhamente incrível... De certa forma foi bem natural pra mim, ainda mais porque a pessoa certa estava ali quando a hora certa aconteceu. O que eu senti durante e depois daquele momento foi que eu estava crescendo, que eu estava abrindo as asas e começando a bater devagar... Começando a entender o que é ser livre de verdade... Mas o grande problema é que eu descobri que às vezes a liberdade real é algo doloroso de viver.
          Quando guardamos algo especial pra nós trancado dentro do peito, tentamos guardar algo como um tesouro escondido, algo como uma bússola, ou até um amuleto de segurança.  Mas ao expressar meus estranhos sentimentos e pensamentos em forma de palavras faladas diretamente para a pessoa mais conveniente, eu estava abrindo mão da minha corda de resgate, eu estava abandonando meu bote salva-vidas, porque depois daquilo eu senti que nunca mais eu os teria pra agarrar quando eu precisasse, senti que eu estava me soltando de algo que me sustentava na hora da minha maior fraqueza, o que momentaneamente pode ser algo profundamente aterrorizante.
          Só que o problema é que o ser humano tem grande dificuldade de enxergar que alguns tesouros escondidos são, na verdade, lâminas de altíssima eficiência, peças fabricadas para serem mortais ao tocarem a moleza do próprio coração; a bússola é, na verdade, uma lança bem pontuda e afiada e o amuleto é uma erva venenosa que faz definhar bem devagar aquele que se agarra nela... O ser humano sofre muito antes de perceber que não precisa mais da corda, nem do bote, porque demora a se tocar de que a hora de pisar em terra firme chegou, e ele pode começar a viver livremente de novo. Demoramos a perceber que existe algo estável e firme sobre o qual podemos por os pés, um horizonte muito maior pela frente do que o que antes tentávamos agarrar com as mãos. A dor está, portanto, no processo interior de compreender os próprios fatos.
          Hoje não digo que tudo que sentimos ou pensamos deve ser aberto ao conhecimento de toda e qualquer pessoa, mas digo que não devemos ter amuletos que nos consomem por dentro. As coisas que guardamos pra nós mesmos devem ser especiais, sim, mas não devem nos sufocar ou nos cegar, nos impedir de progredir. Também não digo que pra nos libertarmos dessas “cordas” devemos simplesmente jogar as palavras ao vento, mas digo que temos que procurar conhecer a hora e as pessoas certas para cada expressão desses sentimentos ou pensamentos. O que eu experimentei, e de fato funcionou, é pedir a Deus que me ajude a identificar as pessoas em quem posso confiar e, se já sei, que me ajude a enxergar o grau da necessidade e aproveitar a oportunidade certa. A conversa certa com a pessoa certa quando a hora surge pode ser restaurador, surpreendente e aliviante se a gente não deixar passar. Assim como as palavras ditas sem sabedoria podem ser (auto)destruidoras, do mesmo modo pode ser o esconderijo eterno de algumas delas.
          Agora eu sei que não é uma delícia imediata todas as vezes que me expresso, pois há vezes em que a libertação de palavras é desestabilizador, mesmo no momento certo e com a pessoa certa. Mas hoje eu entendo que se eu quero ser livre de amuletos, livre de cordas, independente de botes ou bússolas, se eu quero saber o que há pela frente ou voar mais alto, é necessário passar pela dor do desprendimento do que pesa dentro do coração.
          Agora pode ser meio apavorante não saber o que vou fazer sem meus tesouros em forma de sonhos distorcidos... Mas se eu preciso abandoná-los para poder conhecer os horizontes que Deus fez pra eu alcançar no futuro, então que doa. Foi o que eu fiz ontem, quando decidi me expressar para a única pessoa no mundo que poderia compreender da melhor forma possível tudo o que eu tinha guardado só pra mim. Creio que foi uma das decisões mais importantes que eu já tomei e sou grata a Deus por estar comigo sendo a rocha firme na qual eu agora posso pisar.
          Creio que se tenho tido boa sorte é por causa Dele, que me ensinou que o amor liberta. Não preciso ser tomada pelo medo, porque Nele eu posso confiar. Nele me agarro sabendo que não vai me soltar. Nele me apego sabendo que não vai me envenenar. Com Ele não preciso de bússola, porque Ele segurou minha mão e conhece tudo, além de enxergar infinitamente mais longe que eu. Com Ele não preciso de bote, porque meu navio não vai afundar, nem preciso de corda, porque Ele me ensina a nadar e até a voar. Com Ele não estou mais sozinha, mesmo que o mundo se exploda ao redor. Com Ele tenho esperança, Nele encontro descanso, equilíbrio, conforto e paz. Respiro fundo e decido, então, ir em frente, mesmo que antes de poder rir eu precise chorar um pouquinho... =)
          Que Deus te permita viver essa liberdade, essa real liberdade que só Nele alguém pode encontrar, e eu encontrei.
          Beijos,
          Lu Grando.


segunda-feira, 22 de março de 2010

Estreando...

Olá!!! =)
Postando só pra dizer que vou começar a escrever aqui de vez em quando...rs.
Leia se quiser,
Comente se quiser,
Divulgue se quiser...
Quanto a mim, reservo-me o direito de ser quem sou, especialmente aqui.

xD

Beijinhux,
Lu Grando.